O SELF PERFEITO E A NOVA ERA

Sub-título: Individualismo e reflexidade em religiosidades pós-tradicionais

Esse livro resulta da 1ª dissertação de mestrado sobre Nova Era no Brasil. No final dos anos 90, considerava-se que a Nova Era ainda se encontrava em um estado inicial, ainda cru. Já faz 20 anos desde sua publicação e vemos que a Nova Era está firme e forte. Não há nada de desatualizado no trabalho.

O autor se fundamenta num amplo estudo de trabalhos de antropólogos, sociólogos e teólogos nacionais e internacionais. Além disso, conta com sua experiência própria. O autor era um “insider”. Passou pelo Espiritismo, Santo Daime, fez peregrinação em Machu Picchu e pela Projeciologia de Waldo Vieira.

Nesse livro você encontrará as raizes sócio-culturais da Nova Era, marcada, entre outros, por influência do movimento contra-cultural dos anos 60 nos EUA. Depois de uma pesada dose conceitual que toma metade das páginas, o autor nos apresenta 3 estudos de caso: O Espiritismo, a Projeciologia/Conscienciologia e por último o estudo de caso do escritor Paulo Coelho.

A IDEIA PRINCIPAL
O título menciona o “Self Perfeito“, uma característica comum nas diversas práticas New Age. O “Self Perfeito” é um ideal que sabemos ser impossível de se atingir, mas mesmo assim envidamos esforços para alcançá-lo. Vira um processo sem fim. Inatingível mas válido.

E “Nova Era” significa uma nova consciência, uma espiritualidade sem religião. É uma forma de racionalização do mundo. Nova Era é a própria modernidade impactando as religiões, a medicina, a psicologia etc. 

O termo Nova Era não se aplica a uma instituição. O termo Nova Era se aplica a um tipo de relação entre pessoas e os saberes religiosos, científicos, culturais e até mesmo profissionais. Ela está por todos os lados. A Nova Era está aí sem ser notada, é invisível. Devido à essa liquidez, Anthony D’Andrea identifica as características dessa “nova consciência“, o perfil de seus praticantes e seus sistemas de valores.

Essas características ficaram dispersas ao longo do livro. Consolidei então uma lista. Se prepare. Veja se você se encaixa:

  • Nenhum “new ager” se considera “new ager” pois ele não optou conscientemente por isso. O new ager é new ager sem saber. Alguns praticantes são mais “new agers” do que outros;
  • O new ager é prático;
  • É avesso às religiões tradicionais maiores;
  • É secular. Isto é, tem interpretação própria de suas vivências e experiências místicas;
  • Interpretação própria inclusive de fatos científicos adequando-os à sua cosmovisão;
  • É de pensamento relativista. Ninguém é dono da verdade. A verdade é de cada um;
  • Tem elevado grau de autodidatismo;
  • Autoreflexão. Liberdade de pensamento. Não há dogmas. Aversão à valores rígidos;
  • Apesar da racionalidade, valoriza a intuição. Consegue um equilíbrio entre razão e emoção;
  • É influenciado por diversos conceitos de psicologia não mais exclusivo aos especialistas;
  • Aceitação de práticas que abram as portas do inconsciente para que facetas da alma se revelem e aí poderá entrar em contato consigo mesmo;
  • É plural, multifacetado, multicultural, globalizado;
  • O new ager é questionador do mundo tecno-industrial materialista e belicoso. Avalia negativamente o sistema dominante;
  • Dedicação à movimentos sociais ecológicos, pacifista, feministas e pró-minorias. Quer melhorar as condições de vida da humanidade;
  • Tem relação temporária com os grupos. Suas instituições são organizadas em rede, descentralizadas, de baixa fidelidade mas de alta afetividade. Participação voluntária em grupos;
  • Busca aproximação da natureza resgatando uma experiência natural que foi perdida na vida urbana e pelo seu ego “civilizado”;
  • Panteísta. Deus está em tudo no universo. E tudo junto forma Deus inclusive as leis invisíveis;
  • Holista. Está tudo conectado;
  • O new ager acredita estar conectado com Deus, guarda nele uma chispa divina de perfeição que se deve deixar liberar (o tal do potencial criativo). É o self perfeito a ser alcançado como evolução;
  • Acredita que essa evolução vem por auto-esforço. O indivíduo é autônomo responsável pela sua própria salvação;
  • Crença num processo de evolução gradativo sem queima de etapas;
  • Doenças sempre estão relacionadas como projeção de planos superiores desajustados. O processo de cura reside na própria pessoa;
  • Quer que cada indivíduo promova sua própria transformação e realização;
  • Busca o empoderamento do indivíduo;
  • Acredita que a situação desfavorecida em que os outros se encontram é fruto da ignorância espiritual e provenientes de atos de vidas passadas (carma);
  • Entendimento que o sofrimento é do ego pois o self (eu maior) é perfeito;
  • Crença de viver num tempo de mudança planetária, num momento de virada para uma nova era de transformação de mentalidade;
  • Acredita que no estágio atual as pessoas ainda não despertaram para todas as suas possibilidades;
  • Revisa hábitos para um estilo de vida de virtudes;
  • Anti-machista;
  • Pratica meditação e pratica rituais em grupo;
  • A chispa divina não é só uma meta. Ela é uma realidade interna que o faz um “guerreio de luz”. E ao combater o bom combate o universo conspirará ao seu favor.

Em seu estudo, Anthony D’Andrea identifica particularidades da Nova Era no Brasil. Enquanto que na Europa a Nova Era tende aos cultos dos druidas e do misticismo Celta, no Brasil a Nova Era é evolucionista e conta com um marcante caldeirão simbólico psico-espírito-mediúnico oriundo do Espiritismo, de religiões indígenas, e do Santo Daime. 

Em seu livro “Espiritualidade para Corajosos” (clique aqui), Luiz Felipe Pondé criticará o caráter consumista desse tipo de espiritualidade. Mas em seu livro, Anthony D’Andrea dirá que a Nova Era no Brasil é menos comercial que na Europa

ADMIRAÇÃO DISCORDÂNCIA
O self perfeito e a Nova Era” tem pontos negativos. São eles:

  • Foi infeliz a escolha de duas palavras tão parecidas: reflexividade (mundo externo) e reflexiva ou reflexivista (interno). São palavras importantes para a construção dos argumentos mas devido a semelhança requer atenção redobrada do leitor;
  • Não concordo com algumas considerações do autor sobre a conscienciologia. Ficou claro que o autor teve uma interpretação superficial. Ficou de fora como a maior parte dos acadêmicos. Não desenvolveu habilidades parapsíquicas e isso limitou seu entendimento;
  • Essa tentativa de descrever uma situação maior do que consegue perceber, resulta num holopense de confusão;
  • O autor vinha muito bem e fugia do padrão pejorativo tão comum nas abordagens da Nova Era até chegar no cap.5 onde consegue comparar a projeciologia com suicídio físico. Ou quando se refere à Waldo Vieira como o “bruxo da barca branca”. Diz que ali acontece uma coerção grupal que se associa ao fascismo. Exagerou;
  • Ao transformar sua tese em livro, o autor poderia ter abandonado um pouco do rigor acadêmico. O resultado é um livro prolixo, cansativo;
  • Poderia ter desenvolvido um pouco mais sobre o “Afro New Age”;
  • O autor enfatizou demais algumas características da Nova Era para tentar no final encaixar a Projeciologia de Waldo Vieira. É como que se tivesse colocado a resposta na pergunta para afirmar seu ponto;

O livro não é para todos. Seu conteúdo é uma análise sociológica da Nova Era. O leitor comum vai perder a paciência com tantos conceitos: sincretismo, ecletismo, reflexismo, pós-modernidade, individualismo, alternativismo…

O self perfeito e a Nova Era” não é um livro introdutório e sua leitura não é agradável. Tentei colocar nesse post as principais idéias para vc não ter que ler todo o livro. Mas se você encarar o livro, além de aprender mais sobre você mesmo, terá ao final uma base sobre esse fenômeno apontado por alguns como um dos principais fatos dos últimos 100 anos.

posts NOSSOS RELACIONADOS COM ESSE TEMA:

A Nova Era e a Revolução Cultural

Um livro sobre o que está por trás da Nova Era da...

Ir ao post

Nova Era

Entenda as características da Nova Era. Se a Nova Era aceita Cristo,...

Ir ao post

Consciência Planetária e religião

Um livro sobre o nível de consciência necessário à sobrevivência do planeta.

Ir ao post

O futuro da religião

As religiões devem se modernizar para atender o público? O conhecimento religioso...

Ir ao post
  • Sobre o autor desse post
PAULO HENRIQUE ARAUJO
Moro em Recife. Desde cedo trabalhei e empreendi em vários segmentos dentro e fora do Brasil. Quando morava na China percebi que deveria dar mais atenção ao caminho espiritual. Além dos cursos e das práticas, os livros também ajudaram na minha jornada. Compartilho aqui alguns resumos na esperança que eles também lhes sejam úteis. Para ver todos os posts de Paulo clique aqui.
[mc4wp_form id=”2052″]

Seja avisado de novos resumos. Em média 1 ou 2 livros por semana. Sem propaganda, nem bate-papo. Saia a qualquer hora.

CLIQUE AQUI e seja adicionado à nossa lista de Whatsapp.

Seja avisado de novos resumos. Em média 1 ou 2 livros por semana. Sem propaganda, nem bate-papo. Saia a qualquer hora..

CLIQUE AQUI e seja adicionado à nossa lista de Whatsapp.

Veja posts por autor:

O self perfeito e a Nova Era