TERAPIA PANTEÍSTA ou RELIGIÃO DA NATUREZA

O autor desse post é Recifense, crescido nos bairros do Cordeiro, Iputinga e CDU. Dei uma rodada pelo mundo e voltei para Recife. Ao começar a ler esse livro não é que descubro que ali bem do ladinho onde eu morava foi o berço no Brasil do que chamamos de “Panteísmo”? Não é que descubro que onde hoje é um canal largado que ninguém se atreve a entrar devido à poluição e ao esgoto já foi um rio de águas medicinais que curava e fazia milagres?

O livro “Terapia Panteísta ou Religião da Natureza“, do pesquisador de cultura popular José de Andrade, conta a história de um outro José. Conta como José Amaro Feliciano, pedreiro semianalfabeto, construiu o Círculo Deus e Verdade, o primeiro movimento Panteísta no Brasil que existiu de 1927 a 1964. Zé Amaro do Fundão, como era conhecido, trouxe o que na época era uma nova crença na divindade Natureza e conseguiu atrair milhares de pessoas chamando atenção da mídia e inclusive de políticos.

O livro tem foco histórico e sociológico. Inicia com uma síntese das religiões e como se desenvolvem as religiões populares. Apresenta um panorama superficial da religiosidade popular do Brasil na época. Parte depois para a história de Zé Amaro e como o Círculo Deus e Verdade foi organizado e sua estrutura.

O Círculo Deus e Verdade, além das curas das águas milagrosas, tinha o esforço de estimular a conversão moral de seus seguidores através de mudanças de atitudes e hábitos. Também objetivava mudanças direcionadas a uma melhora dos aspectos materiais dos fiéis.

O Círculo Deus e Verdade, de Zé Amaro, é descrito hoje pelos estudiosos como uma síntese inconsciente de elementos de cultos afro-indo brasileiros e o Kardecismo. Sua teologia e seus hinários tem relação com os rituais de ayahuasca da Amazônia, por onde Zé Amaro teve contato.

A mídia da época classificava esse culto como Panteísta. O conceito de Panteísmo mudou com o tempo e parece que Zé Amaro entendia isso pois em anos mais avançados já dizia: “Hoje a minha ciência não é mais panteísta. O panteísmo vai até o Sol. Estamos na Teosofia que não tem limite, compreende o Todo“.

Zé Amaro faleceu. O culto foi extinto e a organização desfeita.

O livro tem linguagem acadêmica, afinal, o primeiro Zé (José de Andrade), é acadêmico da “pesada”. Graduado pela Universidade Católica de Pernambuco, tem dois mestrados. Seu doutorado em Antropologia pela Sorbonne na França foi orientado por ninguém menos que Roger Bastide. E seu pós-doutorado por Edgar Morin. Ensinou na Paraíba e é pesquisador associado na Universidade de Strasbourg. Então não espere encontrar nada no livro que trate das forças extra-físicas, parapsiquismo, nem de descrição detalhada de rituais. Muito pelo contrário, você encontrará estudo dos hinos, dos panfletos e de seus significados implícitos. Encontrará dados tabulados e tabelas estatísticas.

Recomendo esse livro para os interessados na história das práticas religiosas do Brasil, pois como afirmava o segundo Zé (o Zé Amaro):É preciso educar-se a pessoa para saber sonhar“.

posts NOSSOS RELACIONADOS COM ESSE TEMA:

O Lado Oculto do Folclore Brasileiro

Interpretações do nosso folclore a partir de múltiplas perspectivas psicológicas e espirituais.

Ir ao post

Consciência Planetária e religião

Um livro sobre o nível de consciência necessário à sobrevivência do planeta.

Ir ao post
  • Sobre o autor desse post
PAULO HENRIQUE ARAUJO
Moro em Recife. Desde cedo trabalhei e empreendi em vários segmentos dentro e fora do Brasil. Quando morava na China percebi que deveria dar mais atenção ao caminho espiritual. Além dos cursos e das práticas, os livros também ajudaram na minha jornada. Compartilho aqui alguns resumos na esperança que eles também lhes sejam úteis. Para ver todos os posts de Paulo clique aqui.

Veja posts por autor:

Terapia Panteísta ou Religião da Natureza