Escolas das religiões Afro-Brasileiras

Sub-título: Tradição oral e diversidade

CONTEXTO DO LIVRO
Primeiro vamos apresentar o autor: Francisco Rivas Neto foi sacerdote de Umbanda, médico, autor de vários livros e fundador de alguns templos e da FTU – Faculdade de Teologia Umbandista em 2003, primeira instituição de ensino superior afro-brasileira reconhecida pelo MEC. Passou pelo candomblé, pela umbanda traçada e se iniciou na umbanda esotérica como discípulo de W. W. da Matta e Silva de quem foi seu sucessor. Rivas Neto faleceu em 2018, e transmitiu a sucessão da OICD à mãe Maria Elise Rivas.

Além dos recursos físicos e financeiros, foi preciso um corpo teórico para criar sua faculdade uma vez que a teologia predominante ainda é centrada no paradigma judaico-cristão. Para empreender e colocar em funcionamento sua faculdade de teologia, Rivas Neto precisou criar os conceitos básicos que fundamentasse uma teologia para o estudo das religiões afro-brasileiras.

Ou seja, o autor é um sacerdote, um intelectual e empreendedor. O livro “Escolas das Religiões Afro-Brasileiras” contém esses 3 traços do autor. É um conteúdo escrito desde a posição de quem tem a prática espiritual e a racionalidade para preencher esse vazio existente na academia brasileira.

Como diz o autor, a teologia é um dos campos de diálogos entre a religião e a academia. Esse livro “Escolas das Religiões Afro-Brasileiras”, assim como seus últimos livros, tentam apresentar a base para um diálogo inter-religioso multicultural. Nesse contexto, podemos dizer que o materpensene do livro é o da pacificação.

A IDEIA PRINCIPAL

A ideia principal do autor é que Umbanda não é um tipo de prática específica. Umbanda é um todo que traz as mesmas características que encontramos na matriz que forma a maior parte do povo brasileiro: ameríndia, indo-europeia e africana. E assim poderíamos agrupar essas manifestações de forma bem superficial. O autor dá um passo então e lança o conceito de “escolas” para entendermos, para nos aproximarmos e não para nos separarmos.

O termo “Escola” pressupõe fundamentos que são transmitidos de pai/mãe espiritual para filhos de forma oral, de forma de experiências vivenciadas, em troca de axé com a comunidade. Troca de axé significa: serviços espirituais, terapêuticos, educacionais, cura física, sentido de vida, convívio social, discussões etc. Além desses fundamentos, uma “Escola” requer um método (abordagem ritualística), e uma forma de vivenciar a tradição.

Você não vai encontrar aqui nesse pequeno livro uma comparação detalhada dos rituais, dos símbolos, dos toques entre as diferentes escolas. Não encontrará uma visão histórica, qual é a mais antiga, ou qual a mais “pura” como querem alguns. Ele não é completo nesse aspecto e tampouco é sua pretensão. A ideia de “escola” era algo que sobrepairava as religiões afro, mas por incrível que pareça nunca tinha sido formalizada e esse é o grande valor do livro. Ele nos forma, nos dá base para uma visão do todo. É um livro essencialmente conceitual que nos ensina a olhar para todas essas variações das práticas que vemos pelo Brasil afora.

Apesar do autor ser de uma escola específica de umbanda, o livro não vai defender nenhuma linha.

A QUEM INDICO O LIVRO:
É um bom começo para quem vai estudar as religiões de matriz africana, mas não é um trabalho completo.

DESTAQUE:
O primeiro capítulo do livro sobre diálogos inter-religiosos é uma grande sacada. Se aplica à todas as religiões, filosofias e até mesmo para uma reflexão pessoal íntima sobre como vemos e lidamos com práticas religiosas que são diferentes da que acredito.

PONTOS NEGATIVOS:

  • O livro é um pouco prolixo mas não chega a ser um problema.
  • O livro não está livre de interesses sociais e políticos. Esse é um detalhe quase que imperceptível, mas como diz Freud, o que é aparentemente pequeno pode ser o mais importante.
  • O livro vem com 11 vídeos disponíveis em um link que se encontram fora do ar.

Continuarei comprando livros do autor.

links externos sugeridos pelo autor DO POST:

posts NOSSOS RELACIONADOS COM ESSE TEMA:

Teologia Afro-Brasileira

Uma introdução ao pensar afro-brasileiro.

Ir ao post >>
  • Sobre o autor desse post
PAULO HENRIQUE ARAUJO
Moro em Recife. Desde cedo trabalhei e empreendi em vários segmentos dentro e fora do Brasil. Quando morava na China percebi que deveria dar mais atenção ao caminho espiritual. Além dos cursos e das práticas, os livros também ajudaram na minha jornada. Compartilho aqui alguns resumos na esperança que eles também lhes sejam úteis. Para ver todos os posts de Paulo clique aqui.

Seja avisado de novos resumos. Em média 1 ou 2 livros por semana. Sem propaganda, nem bate-papo. Saia a qualquer hora.

CLIQUE AQUI e seja adicionado à nossa lista de Whatsapp.

Seja avisado de novos resumos. Em média 1 ou 2 livros por semana. Sem propaganda, nem bate-papo. Saia a qualquer hora..

CLIQUE AQUI e seja adicionado à nossa lista de Whatsapp.

Veja posts por autor:

Escola das Religiões Afro-Brasileiras