FALSO TESTEMUNHO

Sub-título: Desmascarando séculos de história anticatólica

Neste livro, o prof. Rodney Stark quer aliviar todas acusações que normalmente se faz contra a igreja católica.
O livro não é original. Há outros similares no mercado. Escolhi esse livro pois a variedade de temas era mais ampla. São temas como escravidão, inquisição e cruzadas. Cada capítulo é um tema (veja na imagem do sumário acima).

Outro motivo que escolhi esse livro é que o autor é um especialista em história medieval e cristianismo primitivo. Rodney Stark tem mais de 40 livros publicados. Graduado em jornalismo, é professor de ciências sociais e religiões comparadas. Além de suas próprias pesquisas, para escrever “Falso Testemunho“, se baseará em vários outros estudos. A bibliografia tem 26 páginas.

Apesar de toda qualificação do autor, o livro não é bom. Não é bom pela própria natureza do tema que trata de tragédias provocadas ao longo de 2 mil anos de história. Não é bom porque o autor não consegue atingir seu objetivo que é a redução drástica das acusações e responsabilização da Igreja Católica por várias dessas tragédias.

Infelizmente não posso recomendar esse livro por vários motivos. São eles:

O primeiro deles é um grave erro lógico na construção dos argumentos. Ele sai do particular para o geral. Para que fique claro o que estou dizendo, vamos a um exemplo: Rodney Stark cita um ou dois casos de bispos que libertaram seus escravos e a partir desses fatos particulares generaliza como se assim ficasse provado que esse fosse o padrão de comportamento da igreja católica no mundo inteiro. Do pequeno e específico ele quer inferir o todo. É um erro básico.

O segundo é não definir o que ele chama de igreja católica. Dessa forma, quando um católico faz um crime, não foi a igreja a responsável pelo crime, foi o indivíduo católico pessoa física. Quando um bispo tem uma conduta errada não foi a igreja, foi o bispo pessoa física. Quando foi um papa, não foi a igreja, foi o papa. Quando o texto bíblico diz algo de forma dúbia o erro é da interpretação, nunca da igreja. A igreja católica de Rodney Stark é uma entidade disforme, lisa, que sempre se esquiva.

Terceiro motivo pelo qual não recomendo o livro é que o autor toma logo de partida a posição da igreja como verdadeira e fica óbvio que daí nada se pode concluir. 

Quarto motivo. O autor só cita historiadores que concordam com seu ponto de vista. Deveria ter confrontado lado a lado os pontos de vista.

Esses erros acontecem do início ao fim.

Um quinto motivo para não gastar seu tempo e dinheiro é que há inúmeras inconsistências. Por exemplo, inconsistência argumentativa. Em alguns momentos afirma que a igreja matou poucas pessoas. Algumas páginas mais adiante dirá que a inquisição jamais conduziu a uma única execução! (cap. 6, pág. 135). Quero citar outra inconsistência, nesse caso inconsistência moral. O autor aprova a matança de 1 mil pessoas pela igreja (cap. 6). E em outra passagem justifica a destruição do templo de Afrodite pois ali havia prostituição. Ou seja, é contra a prostituição mas aprova a matança de 1 mil pessoas pela igreja.

Eu poderia citar uma enorme lista de equívocos pontuais espalhados pelo livro mas pela brevidade exigida em textos de internet, colocarei apenas alguns:

  • No capítulo que trata de progresso moral o autor se orgulha da invenção de canhões, montarias de cavalos que permitiam armas e outras tecnologias de guerras. Invenções de guerra maravilhosas graças a igreja. Ao meu ver não há moral alguma nisso e não há nada do que se orgulhar.
  • Em certo momento afirma que a igreja matou alguns poucos judeus, pagãos e muçulmanos, mas como eram poucos está tudo bem.
  • O autor chega a ser ingênuo em vários momentos. Por exemplo: aceita que a igreja católica assimilou os festivais pagãos via um sincretismo. Em outras palavras, a igreja “troca” os Deuses pagãos por santos e chama isso de preservação do paganismo. Tenha paciência. A igreja só não acabou de vez com os pagãos pois deles coletava impostos.
  • Nos julgamentos conduzidos pela igreja era permitido tortura de 15 minutos. O autor acha que tudo bem pois antes a tortura era liberada. A tortura de 15 minutos foi um avanço. Você concorda?
  • O autor diz que de fato sim a Inquisição queimou “alguns” livros mas o que tinha ali não era nada científico. Só para que o leitor saiba, na lista dos livros proibidos estavam: Pascal, Descartes, Francis Bacon, Montaigne, La Fontaine, Swedenborg, Voltaire, Montesquieu, Diderot, David Hume, Jean-Jacques Rousseau, Kant, Balzac, Henri Bergson, Sartre, Simone de Beauvoir, Nicolaus Copernicus, Galileo Galilei, Allan Kardec. Rodney Stark acha que não há valor algum na produção desses autores pois eles não são científicos.
  • Defende que os únicos grandes cientistas eram religiosos católicos. Da forma como coloca a questão, ele dá o mérito de suas obras à igreja. Afirma categoricamente que foi a teologia cristã que deu direcionamento e confiança ao desenvolvimento científico (pág. 100). Veja o vídeo abaixo sobre a contribuição dos árabes na ciência.
  • Nas págs. 153 e 155 o autor dirá que o raciocínio formal sobre Deus só se desenvolveu unicamente no cristianismo. Ficou de fora todas as contribuições dos Judeus, dos árabes e dos orientais. Chega a afirmar expressamente que “nunca existiu nenhuma instituição antiga dedicada à busca do conhecimento” !!!
  • O livro é cheio de besteiras infundadas como dizer que os óculos foram inventados em 1280 na Itália, graças à igreja católica. Ou que a igreja católica é a inventora do sistema de crédito financeiro… Pelo amor de Deus! 

JULGAMENTO
O livro fala de ações num passado muito longe. Não temos acesso aos documentos históricos e mesmo que tivéssemos não saberíamos ler os idiomas arcaicos, muito menos interpretá-los. Então só nos resta avaliar o presente. E o presente mostra uma igreja envolvida em escândalos os mais diversos.
Assista os vídeos abaixo.

VIDEOS SUGERIDOS PELO AUTOR DESSE POST:

Olavo de Carvalho fala sobre o poder da igreja. Um “detalhe” que faltou ao autor.
(6 minutos)

Laurentino Gomes fala da participação da igreja e a escravidão no Brasil
(7 minutos)

Sobre a influência dos árabes na ciência. É um dos “detalhes” que Rodney Stark “esqueceu” de mencionar em seu livro. (2 minutos – Vídeo em inglês).
Palestra completa aqui: https://www.youtube.com/watch?v=6nG6EuzCdx0

Museu da Inquisição no Brasil
(43 minutos)

os índios...

Entrevista do cineasta Luiz Bolognesi sobre os índios e a igreja evangélica. Sei que o livro quer tratar exclusivamente da igreja católica, mas é interessante que assista o que acontece.

Trailer do filme Ex-Pajé. A conquista da cultura ocidental européia sobre os indígenas locais aqui de nossa terra.

COISAS TRISTES DA IGREJA 🙁

(Pedofilia e a Igreja do Chile)

(330 mil crianças vítimas de pedofilia na Igreja Católica da França)

(Mil casos de pedofilia nos EUA)

(Seis mil crianças indígenas morreram no Canadá)

Não cometerei o mesmo erro de Rodney Stark e só citar pessoas que concordem comigo. No vídeo abaixo, a professora Bruna Torlay, que pensa diferente de mim. Ela acha o livro incrível.

PAULO HENRIQUE ARAUJO
Moro em Recife. Desde cedo trabalhei e empreendi em vários segmentos dentro e fora do Brasil. Quando morava na China percebi que deveria dar mais atenção ao caminho espiritual. Além dos cursos e das práticas, os livros também ajudaram na minha jornada. Compartilho aqui alguns resumos na esperança que eles também lhes sejam úteis. Para ver todos os posts de Paulo clique aqui.

Seja avisado de novos resumos. Em média 1 ou 2 livros por semana. Sem propaganda, nem bate-papo. Saia a qualquer hora.

CLIQUE AQUI e seja adicionado à nossa lista de Whatsapp.

Seja avisado de novos resumos. Em média 1 ou 2 livros por semana. Sem propaganda, nem bate-papo. Saia a qualquer hora..

CLIQUE AQUI e seja adicionado à nossa lista de Whatsapp.

Veja posts por autor:

Falso Testemunho