AUTODEFESA PSÍQUICA

Dion Fortune é o pseudônimo de Violet Mary Firth Evans, uma escritora ocultista britânica que viveu no final do século 19 e início do século 20. Para entendermos melhor o trabalho de Fortune, é importante situar o leitor quanto ao cenário espiritualista e ocultista daquela época. A Europa viva um momento de descobertas de conhecimento hermético e espiritual, a doutrina Espírita há pouco havia se iniciado através do lançamento do Livro dos Espíritos, de Allan Kardec. A segunda metade do século 19 foi recheada de livros e trabalhos teosóficos e ocultistas, principalmente pelas mãos de Helena Blavatsky. E foi neste caldeirão espiritual em ebulição que também surgiu o trabalho de Dion Fortune.

Ainda sobre a Europa, sabemos que se tratava de uma região recheada de lendas, mitos, fenômenos inexplicáveis, histórias de fantasmas, de duendes, de demônios e bruxas; e foi nesse contexto que se desenrolaram as pesquisas e os trabalhos de Fortune.

O livro irá descrever fenômenos que se passaram ao longo da vida da autora, como exemplos de acontecimentos extraordinários pessoais e de pessoas próximas, e os quais Fortune explica, ou pelo menos tenta explicar, sob a ótica de uma espiritualidade mágica, da feitiçaria, da bruxaria e das cerimônias e rituais.

Esta é a espiritualidade de Dione Fortune, e durante seus relatos, ela vai descrever técnicas e ritos que supostamente combatem os ataques de forças ocultas e maléficas. Fortune vai citar casos de assédios espirituais, ataques psíquicos, os diferentes tipos de Lojas (grupos de pessoas que se reuniam para determinadas atividades místicas), bruxaria e vampirismo. A cada caso exemplificado, ela aproveita para dar dicas de como combater aquele tipo de ocorrência. Mas o livro em si não é um manual de autodefesa psíquica, pois ela explica que métodos funcionaram para ela e para outras pessoas, e que não são, portanto, uma regra geral de como combater alguns tipos de males psíquicos.

É interessante notar que os fenômenos daquela época são os mesmos que ouvimos hoje em dia em reuniões de estudos espiritualistas, como episódios de assédio espiritual, a figura do obsessor, magias que dificultam as vidas das pessoas, no entanto, à época do livro, tais acontecimentos se davam num contexto muito mais sobrenatural, misterioso, mais fantasioso e místico.

De toda forma, o material traz muito insights de como as coisas acontecem no lado espiritual e, num contexto geral, o leitor se sente mais avisado sobre que tipos de eventos podem acontecer quando se aprofunda nestes temas. Na parte final do livro, ela lista uma série de característica de como diagnosticar, ou pelo menos tentar, um ataque psíquico. Em seguida, que tipos de atitudes podem ser feitas para mitigar ou eliminar tais ataques. Mesmo assim, apesar do título, o livro não é um manual de autodefesa.

PARA QUE PÚBLICO SE DESTINA?

O pesquisador jejuno da espiritualidade, ou o simples curioso, ao lerem este tipo de material, podem se sentir mais impressionados do que o normal. Para este tipo de leitor, o conteúdo pode gerar medo e repulsa. Mas entendo que para o leitor que já está mais acostumado aos temas de assédio espiritual e energias sutis, o livro entrega uma coletânea de casos muito interessantes, e algumas dicas de como transitar nesses meandros.

links externos sugeridos pelo autor DESSE POST:

  • Sobre o autor desse post
PEDRO NUNES NETO
Pedro tem background em tecnologia da informação, e é bacharel em fotografia. É astrônomo amador, amante da natureza e aprendiz eterno da espiritualidade. Universalista convicto, é leitor de temas como física quântica, doutrinas orientais, Conscienciologia, ocultismo, cosmogonia, ufologia e meditação. Clique aqui para ver todos os posts de Pedro.

Veja posts por autor:

Autodefesa Psíquica